Seja paciente e fale com o seu gato

68325
0
Share:

Os gatos são considerados animais algo frios e individualistas, mas é preciso ser paciente e aprender vários truques para estabelecer uma boa comunicação. Eles não falam, no verdadeiro sentido da palavra, mas tentam várias vezes comunicar com os seus donos, não só através de alguns trinados como, acima de tudo, pela linguagem corporal. E esta, sim, talvez seja a forma mais simples de conseguir perceber os desejos do seu amigo de quatro patas e bigodes. É que o seu gato está constantemente a comunicar consigo. O problema é, por vezes, os próprios donos não serem conhecedores deste elaborado tipo de linguagem. O primeiro passo para ficar a perceber a sua linguagem, passa por uma observação atenta dos hábitos e das expressões corporais do animal.

A linguagem corporal é muito versátil e nenhum ser humano, apesar de a perceber, é capaz de a falar correctamente, da mesma forma que os gatos, por muito que entendam as nossas vocalizações, também não nos conseguem responder da mesma forma. Para estabelecer uma comunicação eficaz os gatos fazem uso principalmente das suas orelhas, cauda e expressões faciais, para além, claro, da postura do corpo.

As orelhas dos gatos são extremamente moveis, com 20 ou 30 músculos a controlá-las. Podem rodá-las 180 graus e movê-las para cima e para baixo. Estes movimentos são, por si só, uma grande fonte de linguagem que, com um pouco de atenção, não demorará muito tempo a interpretar. Vamos então debruçar-nos sobre alguns exemplos que facilmente poderá identificar no seu gato em situações distintas.

Murphy on the sofa [Nikon Coolipix 950]

As orelhas

As orelhas erectas e a apontar para si significa que o gato está confiante e alerta. Caso o seu companheiro de quatro patas tenha as orelhas com o interior virado para o lado, indicia que se sente ameaçado e pode atacar. Se tiver as orelhas colocadas firmemente contra a cabeça, mostra que se sente ameaçado, mas apenas irá atacar se tiver necessidade de se defender.

A cauda

A cauda é outro dos grandes intervenientes na linguagem dos gatos e as diferentes posições revelam estados de espírito distintos. Quando a cauda se apresenta de uma forma relaxada, está na posição considerada normal. Caso a parte de trás da cauda se encontre direita e a base da cauda esteja ligeiramente para cima, pode revelar intenções de ataque por parte do seu companheiro. Se a cauda estiver para cima, mas não rigidamente, é um sinal amigável e está a pedir mimos e brincadeiras. Se, por outro lado, estiver rigidamente erecta, revela sinais de medo. Se a cauda estiver enrolada em volta do gato e a ponta estiver a mexer ligeiramente, ele pode atacar mas apenas se for provocado ou sentir-se encurralado.

Expressões faciais

Para além da cauda, as expressões faciais são outra forma de comunicação muito importante e geralmente revelam as verdadeiras intenções de um gato em determinadas situações. Quando os olhos estão completamente abertos e com as pupilas ligeiramente dilatadas, isso significa que estão curiosos e alerta. Se por outro lado estiverem muito dilatados, significa que estão assustados. O que complica por vezes a interpretação dos sinais, é o facto dos gatos os emitirem usando para isso diferentes partes do corpo. Confuso? Nós explicamos e para isso vamos usar alguns exemplos práticos.

Por exemplo, um gato está a miar para si com os olhos dilatados, orelhas a apontar para o lado e a cauda enrolada à volta do corpo, isto significa que está alerta, mas não irá atacar ou tomar nenhuma atitude a menos que se sinta ameaçado. Outro exemplo, um gato está com as orelhas para trás, cauda rígida e corpo arqueado, isto significa que o gato está assustado e quer que se afaste. Agora, vejamos alguns exemplos práticos.

Virar os olhos para o lado

Já lhe aconteceu olhar para o seu gato e ele virar os olhos? É uma situação perfeitamente normal. É que em “gatês”, um olhar directo é geralmente interpretado como um desafio e por essa mesma razão o seu companheiro desvia os olhos para o lado. Isto conduz-nos a outro aspecto curioso. Imagine que está num jantar com os seus amigos e o seu gato entra na sala. Geralmente o seu companheiro de quatro patas tem tendência a ir para o colo da pessoa que menos gosta de gatos. Porque razão? É simples, porque foi provavelmente a pessoa que menos directamente olhou para o seu gato quando ele entrou na sala.

Pestanejar

Os gatos usam o pestanejar dos olhos — por vezes rapidamente, outras mais lentamente — para manter a calma numa determinada situação.

Virar a cabeça para o lado

Piscar os olhos e olhar noutra direcção, por vezes, não é o suficiente para indicar que o gato não pretende confrontos. Por essa mesma razão ele vira a cabeça para o lado. O mesmo acontece se o seu gato se levantar e se virar na direcção oposta à sua.

Lamber os lábios

Esta é outra das formas que o gato usa para se mostrar menos ameaçador. Curiosamente este é um sinal que também o dono pode enviar ao seu gato para o mesmo efeito.

Movimentos lentos

Quando os gatos fazem alguma traquinice em casa (e não fogem) e são repreendidos pelos seus donos, vêm a andar usando movimentos lentos. Ora isto tem uma razão de ser. É que o gato vê isto como uma forma de ganhar tempo na esperança de que, quando chegar até si, já esteja mais calmo. São ou não muito inteligentes estes nossos companheiros?

Ronronar

O ronronar é quase sempre visto pelos humanos como um som de contentamento e esta interpretação está correcta na maior parte das vezes. Contudo, também pode revelar sinal de dor e o gato usa este meio para tentar manter-se relaxado. O ronronar é também usado pelas gatas como uma forma de acalmar e tranquilizar as suas crias.

O cheiro

O próprio cheiro é uma forma de linguagem e é inclusivamente a primeira que o gato aprende. Apesar de nascer surdo e cego, o felino já tem os sentidos do tacto e cheiro devidamente desenvolvidos e desta forma consegue encontrar o mamilo da sua mãe. Os gatos têm glandulas de cheiro no queixo, nos lábios, nas patas e na base da cauda. Cada um é dotado do seu próprio cheiro, que funciona como uma assinatura. Esta assinatura é colocada em todos os objectos nos quais ele se roça, como móveis, plantas ou até mesmo as pernas do seu dono.  Tudo isto leva ao desenvolvimento de determinados rituais com aquilo que os rodeia, inclusivamente com os seus donos. Certamente que os possuidores de um gato já repararam que, quando chegam a casa, na grande maioria das vezes ele vem imediatamente à porta roçando o focinho nas pernas e com a cauda erecta. Ao fazerem isto, para além de ser um cumprimento, estão a trocar odores.

Mas a linguagem do odor também tem os seus aspectos menos positivos, pelo menos para os donos, já que os gatos usam a urina para marcar território e mostrarem a sua sexualidade. Os gatos têm ainda tendência para muitas vezes marcarem o seu território por cima de marcações já existentes de outros gatos. Isto dá origem a uma situação particular e talvez seja uma razão para deixar de andar em casa com os mesmos sapatos que anda na rua — basta que traga certos cheiros nos seus sapatos para que isto aconteça.

O próprio arranhar de unhas (ou afiar) de um gato também está relacionado com uma forma de linguagem ligada ao odor, apesar de também ser uma forma de o gato libertar o “stress” acumulado. Quando os gatos afiam as unhas num determinado objecto deixam também o seu cheiro graças às glândulas concentradas nas patas. Desta forma, os gatos comunicam com outros felinos, mesmo que não estejam fisicamente presentes (mas que poderão vir a estar).

Estas são algumas dicas que certamente o irão ajudar a interpretar melhor os sinais do seu amigo de quatro patas. Com um pouco de atenção e muita paciência, em breve poderá estar a comunicar eficientemente com o seu gato.

Share:

Leave a reply